fbpx
Inicial / Blog / Análise da Propaganda Partidária Gratuita (PPG) do PSDB – Maio/2013

Análise da Propaganda Partidária Gratuita (PPG) do PSDB – Maio/2013

Em bela peça, o PSDB mostra oxigenação em sua primeira ação nacional com Aécio Neves presidente nacional. Tenta reescrever sua História, mostrar que é um grande partido e que está preparado para buscar a vitória nas próximas eleições. Entre erros e acertos, o programa parece ter inaugurado uma nova era tucana.

O programa apresentado por Aécio Neves tem muitos significados e tenta comunicar o essencial, mas comete alguns pecados talvez como resposta a algumas das suas turbulências internas em fase de tratamento intensivo. Como entrevistado, Aécio se coloca como líder do partido naturalmente e paralelamente desenvolve sua trajetória pessoal e política com alguns casos de sucesso de Minas Gerais. Além dos feitos escolhidos minuciosamente da época que  governou Minas Gerais, evoca a história recente do Brasil e da Democracia a partir do seu avô Tancredo Neves e outro amigo Ulisses Guimarães e tenta naturalizar através do seu DNA político sua vocação de representação popular.

A “Conversa com os brasileiros” ficou em segundo plano, firmar o PSDB como um dos maiores partidos do país por “governar 47% dos brasileiros” e mostrar Aécio como o líder capaz de levar o partido novamente à presidência da república formaram o núcleo central. Didaticamente tenta construir uma nova história para o PSDB e para si baseado nos atuais pontos fracos do governo Dilma: educação, inflação, infraestrutura e ética.

Através de Aécio, o PSDB vai buscar o crédito do fim da inflação para FHC e os seus oito anos de governo federal. O novo presidente destaca que a melhor educação de base do país é do estado que governou por oito anos e alguns portfólios em gestão, empreendedorismo e “coragem para investir em infraestrutura”.

Além de ajustar o discurso do PSDB e firmar Aécio na liderança do partido os temas escolhidos soam como apostas muito arriscadas do partido. Inflação é um ponto fraco circunstancial do governo Dilma e, com exceção da ética que é capítulo a parte da política, infraestrutura e educação são pontos que há muitos resultados significativos no governo do PT se a análise for por contraste com os tucanos.

Uma solução interessante seria destacar que as bases para os bons resultados do PT foram construídas pelo PSDB. Que o PT está perdendo o controle do país pela moral de seus líderes, ética da sua forma de governar e pondo em risco o maior bem do Brasil, a democracia. Mais uma vez, assim como Tancredo e muitos outros brasileiros brilhantes, está na hora de arrumar a casa e proteger a democracia brasileira.

Outro ponto que vale crítica é o da transferência de renda. A regra da política é comunicar apenas o que vai conseguir fazer com que todos entendam de um determinado público alcançado. De forma fragmentada, transferência de renda foi posta em segundo plano e a qualificação profissional tomou o primeiro plano entrando em consonância com o que os empresários querem ouvir. Mas pela falta de objetividade, não convenceu os empresários, nem promoveu a segurança necessária à mudança de governo almejada aos beneficiários dos programas sociais de transferência de renda.

O final do programa mostra a convenção que elegeu Aécio presidente do PSDB e os principais nomes do partido em harmonia no que chamaram de “Festa da unidade”. O novo presidente encerra o programa com um novo slogan para os tucanos “dignidade, competência e utopia por um Brasil mais justo e solidário”.

Sobre Juliano Sebastian

Consultor político, graduado em Comunicação Social e pós-graduado em História e Ciências Sociais. Gosto muito de samba, NFL, futebol, tecnologia e artes.