fbpx
Inicial / Propaganda Partidária / Análise da Propaganda Partidária Gratuita (PPG) PSB – Abril/2015

Análise da Propaganda Partidária Gratuita (PPG) PSB – Abril/2015

Partido Socialista Brasileiro (PSB)

→Presidente: Carlos Siqueira

Dia de veiculação: dia 02 de abril de 2015.

A narrativa do programa se dá pelas premissas da corrupção e a falta de firmeza da presidente em ser contundente na punição, pelas promessas de campanha que não estão sendo cumpridas e pela crise que o governo criou e quer passar a conta para o povo. O PSB busca criar uma marca política (ou um atalho) “a nova cara do Brasil” caronando no discurso de mudança de Marina, que sequer é citada no programa, que deixou um legado para a marca do partido junto ao eleitorado, e na crise entre a organização das manifestações de 2015 (oposição ao governo federal) e o PSDB que as deixaram sem pai.

Entendo que este programa tem três funções de PPG sendo a primeira e mais acentuada: ênfase no partido. Por ter todo o programa construído sob uma narrativa na qual o partido é o sujeito, a marca do PSB visível em grande parte do programa e pelas discussões temáticas levarem à construção de uma marca vinculada ao partido como o sujeito proponente. A função de ataque é em razão de boa parte do discurso ser construída em oposição ao governo. E temática pelo programa narrar por uma sequencia temas a emergência do seu discurso central, a nova cara do Brasil.

Neste programa, fica claro que o PSB é o único partido, entre os que disputaram as eleições presidenciais de 2015, a buscar se apropriar das manifestações de 2015.

  icon-warning PROBLEMA

O PSB defende o direito de participação em igualdade das mulheres (proposta da reforma política que fixa em 50% os cargos a serem ocupados por gênero), mas o partido tem apenas 10% de participação feminina neste programa, que é mínimo obrigatório pela legislação. 

O que parecia ser uma iniciativa de esboçar uma plataforma programática partidária acaba por se revelar uma face da disputa interna sobre como o partido deve se portar com relação ao governo federal e junto ao eleitorado. Enquanto uns acreditam que o PSB é oposição outros ainda acreditam que o partido é uma terceira via. O que nos leva a creditar nisso é o ataque exclusivamente frontal por uns (Beto Albuquerque e Márcio França) e o ataque mais ponderado aberto ao diálogo com o governo em nome da democracia (Carlos Siqueira e Fernando Coelho).

Ficou muito evidente o tom populista do discurso do PSB que antes era notado pelo DNA político das suas maiores lideranças e agora pelas premissas do discurso formatado pela oposição ao governo federal. A saber, entendemos por populismo, neste presente contexto, a busca pela personalização dos poderes democraticamente eleitos e a separação entre estes poderes (personalizados) e a população, reforçando esta alienação que já é um problema comum às democracias representativas. O melhor exemplo desse populismo é o discurso coordenado entre vários partidos o qual acusa o governo a ter feito uma conta que agora coloca o povo para pagar.

   Funções deste PPG: Ataque, ênfases no partido e temáticas.

 icon-comments-o  Temas deste PPG: corrupção, mudança, economia e accountability.


Funções básicas de PPG

[1] ênfases no partido; [2] debate de temática específica; [3] ênfase em mandatos/mandatários; [4] ataque; e [5] pré-campanha eleitoral. 

Sobre Juliano Sebastian

Consultor político, graduado em Comunicação Social e pós-graduado em História e Ciências Sociais. Gosto muito de samba, NFL, futebol, tecnologia e artes.