fbpx
Inicial / Artigos / A trajetória de uma disputa

A trajetória de uma disputa

Reta final das eleições 2012 em todo Brasil. Conceituar e discutir projeto, valores e pragmatismo eleitoral parece incompatível em tempos de tamanho fisiologismo em busca do poder. Em Macaé este cenário não é diferente e cabe uma apreciação nossa em tom de crítica construtiva na polarização da atual disputa pela prefeitura da cidade.

Há dois anos o cenário que se apresentava era exatamente este de disputa polarizada com uma mudança que fez toda a diferença e que é o foco da nossa discussão: projeto, valores e pragmatismo. Após as eleições de 2010 havia um deputado federal isolado politicamente, mas que havia consolidado o espírito macaense de mudança política em torno do seu nome, e um deputado estadual reconhecido pela grande capacidade de gestão que tinha maior potencial de representar um projeto político em nível nacional, mas que não tinha o espírito macaense de mudança.

O que fez toda diferença para este momento eleitoral foi como cada deputado lidou com seus desafios. De fato, em primeira análise os dois perderiam valores conquistados para darem linhas finais a seus projetos. Um buscou com foco a aliança que traria o que faltava, projeto político. Conquistar o PT, mesmo fazendo parte do atual governo, seria o golpe de misericórdia para quem já havia consolidado o espírito macaense de mudança. Pelo outro projeto, o PT foi subestimado, com a perda do PT e do potencial de representação do projeto nacional, em seguida se investiu numa precipitada queda de braços que se dará mais a frente entre o favorito Lindbergh do PT e outro nome natural à sucessão do PMDB pela disputa da sucessão do governo do Estado.

No final destas movimentações, que montou o desenho final do atual cenário eleitoral, quem estava isolado politicamente aderiu ao projeto nacional do PT, o maior do país e de grande aceitação, e somou isto ao espírito macaense de mudança já consolidado em 2010. E quem tinha um potencial de projeto ficou com a única opção de antecipar aquela possível disputa entre PMDB e PT para a sucessão do governo do Estado, colocando em segundo plano sua reconhecida capacidade de gestão e aguardando uma antecipação de disputa.

Sendo assim, estas eleições de Macaé serão entre um projeto construído por e para Macaé tendo buscado alguns valores a serem somados em nível nacional, contra um projeto que dá conta do controle do polo político e econômico regional em vista da negociação interna entre PT e PMDB para as eleições de 2014. Cabe destacar que a candidatura do deputado estadual ainda sofre tecnicamente de conceituação, difícil identificar que valores sua campanha abraça e seus valores originais. Até pontos fortes como a trajetória brilhante do candidato a prefeito e o carisma do atual prefeito que o apoia estão sendo diluídos pelos erros de direção que pasteurizou a campanha.

A síntese desta disputa de projetos, valores e pragmatismo eleitoral se dá assim: a população de Macaé sente que a cidade pode muito mais e que este potencial é reprimido pela atual classe política, um cenário comum em cidades de desenvolvimento acelerado. O deputado federal ganhou forma e corpo para além de uma efêmera Onda Verde, um mero discurso de mudança, com o projeto nacional do PT e o resultado da combinação destes foi a maturação de um projeto com identidade macaense e grandeza nacional; enquanto que o deputado estadual, mesmo de bela trajetória e excelência em gestão, está sem projeto, aguardando a possibilidade de uma disputa pautada apenas no pragmatismo eleitoral.

Não é estranho observar quem está muito a frente nesta disputa é quem alcançou seus objetivos, diga-se de passagem, muito bem arquitetados. Tem um projeto definido pela legitimidade de mudança que a população de Macaé espera. Quem teve a habilidade de somar quantidade sem subtrair valores demonstra efetivamente estar preparado para governar uma cidade complexa como Macaé. Qual será a eleição que a população de Macaé vai querer viver nestes últimos dias de eleição? A defesa de um projeto macaense legítimo ou vivenciar o pragmatismo visto em tantas eleições Macaé a fora?

Sobre Juliano Sebastian

Consultor político, graduado em Comunicação Social e pós-graduado em História e Ciências Sociais. Gosto muito de samba, NFL, futebol, tecnologia e artes.